18/02/2014

Estudos recentes com técnica atrai-e-mata apontam para ganho de produção em soja

 

Em trabalho que vem desenvolvendo com o uso da técnica de atrai-e-mata para pragas da soja junto a Instituto Federal de Goiás o Entomólogo Dr. Marcio F. Peixoto se mostra entusiasmado com os resultados até agora obtidos. Em comparação as áreas com controle convencional com sprays de inseticidas o tratamento causou grande mortalidade de mariposas e em conseqüência tiveram menos desfolha e os grãos se apresentam com mais peso. Ao analisar os resultados a diferença em media é de 10 sacos por hectare a mais nas áreas com aplicações de atrai-e-mata. 

Os insetos pertencentes à família Noctuidae, são responsáveis pelos maiores danos globais em cultivos extensivos como algodão, soja e milho. Atualmente os ataques de Helicoverpa armigera têm exigido ações conjuntas de Ministérios, Secretarias Estaduais, instituições de pesquisa e produtores para estabelecer estratégias eficientes para controle da espécie. Merece destaque também, especialmente nas safras 2012/2013 e 2013/2014, os intensos ataques de falsa medideira (Soybean Looper (Chrysodeixis includens) também chamada Pseudoplusia includens ou Plusia includens), praga comum a cultura da soja, mas que pelos níveis de resistência observados vem aumentando de importância.

Com relação a H. armigera, há grande preocupação em disponibilizar ferramentas para controle de adultos, pois a maioria dos produtos são efetivos para controle de lagartas, como é o caso dos inseticidas do grupo diamidas. Esta estratégia de manejo, apesar de eficiente, apresenta uma importante lacuna a ser respondida: de que forma os adultos são controlados? Esta questão é pertinente por serem os adultos a fonte das novas gerações da praga (ovos e lagartas), tornando seu controle uma necessidade premente nas estratégias de manejo.

O uso de um sistema atrai-mata contendo atrativos para noctuideos adultos permite a integração de uma nova estratégia de manejo às práticas atuais, possibilitando o uso de inseticidas menos tóxicos com modo de ação diferenciado – ingestão – o que favorece a mitigação dos riscos de resistência dos insetos e de contaminação ambiental e de alimentos, bem como os casos de intoxicação dos trabalhadores envolvidos no controle das pragas.

A ISCA Tecnologias tem identificado uma mistura precisa de voláteis atrativos importantes para diferentes espécies de insetos-praga que não sejam atraentes para insetos benéficos como abelhas e himenópteros. Deste modo a ISCA Tecnologias criou uma formulação de voláteis atrativa a adultos de Helicoverpa armigera, H. zea, C. includens, Heliothis spp., Spodoptera spp., Trichoplusia ni bem como outros noctuideos. O produto NOCTOVI é formulado com esses voláteis junto com fagoestimulantes que promovem o consumo da formulação. Ao NOCTOVI deve ser acrescentado um inseticida previamente escolhido, para que as mariposas consumindo a mistura morram.  A mistura de NOCTOVI com o inseticida é aplicada em faixas isoladas nas lavouras, atraindo e matando adultos de noctuideos.

Os resutados mostram que NOCTOVI + Methomil (2%) provocou mortalidade de adultos de H. armigera e C. includens, bem como redução no número de lagartas presentes nas áreas de soja, reduziu em pelo menos 24,6% o índice de desfolha de plantas de soja e que quando aplicado a cada 10 dias tem efeito positivo no aumento do peso de vagens de soja em pelo menos 21%, em relação aos demais tratamentos avaliados. A hipótese para isso foi o maior índice de área foliar observado neste tratamento, resultado do controle mais eficiente da incidência de mariposas e conseqüentemente de lagartas sobre as plantas.