12/11/2012

ISCA RECEBE APOIO DE FUNDAÇÃO INTERNACIONAL PARA DESENVOLVER ARMADILHA INTELIGENTE

 

 

A ISCA Tecnologias é uma das ganhadoras do fundo para pesquisas Grand Challenges Explorations, uma iniciativa da Fundação Bill & Melinda Gates. O CEO da ISCA PH.D Agenor Mafra-Neto desenvolverá um projeto inovador na área de saúde e desenvolvimento intitulado “Sensores A Laser Ultra Econômicos Para Manejo De Pestes Agrícolas”.

 

Para Dr. Mafra-Neto, essa é uma oportunidade fantástica de colocar seu conhecimento sobre insetos a serviço do bem. “Eu realmente acredito que monitorar insetos em tempo real nos permitirá fazer um levantamento antecipado e muito segmentado das pragas, o que pode melhorar a produção de alimentos e salvar vidas em áreas rurais pobres. Somos muito gratos à Fundação Bill & Melinda Gates Foundation por apoiar-nos a levar esse projeto a campo", completa.

 

O Grand Challenges Explorations (GCE) apoia profissionais de todo o mundo que estão buscando novas abordagens para alguns dos mais difíceis e persistentes desafios mundiais de saúde e desenvolvimento. O GCE investe no estágio inicial das pesquisas, apoiando ideias ousadas com potencial real de resolver problemas que as pessoas do mundo em desenvolvimento enfrentam todos os dias. O projeto do Dr. Mafra-Neto é um dos 80 contemplados pela 9a rodada do GCE, anunciados dia 1 de novembro pela Bill & Melinda Gates Foundation.

 

“Os investimentos em pesquisas inovadoras de saúde global já estão dando resultados,” diz um dos diretores da fundação, Chris Wilson. “Continuamos impressionados pelas novidades apresentadas e o espírito inovador dos projetos vencedores do Grand Challenges Explorations e estamos entusiasmados com essa pesquisa. Os investimentos que fazemos têm potencial real para produzir novas soluções para melhorar a saúde de milhões de pessoas no mundo em desenvolvimento e garantir que todos tenham a oportunidade de viver uma vida saudável e produtiva”.

 

Um sexto da população mundial - mais de um bilhão de pessoas - está desnutrida e pelo menos seis milhões de crianças morrem de fome a cada ano. Uma das soluções mais simples para resolver este problema é aumentar a eficiência na produção e armazenamento de alimentos nos locais onde esse problema acontece. Infelizmente, em áreas pobres, como a região da África subsaariana e a Caatinga no Nordeste do Brasil, isso pode ser extremamente difícil, em parte devido a uma variedade de insetos-praga devastadores. O uso de pesticidas convencionais, através de cobertura de pulverização, é indesejável por várias razões, incluindo os gastos que representam para os agricultores. No entanto, se as pragas são detectadas nas fases iniciais do ciclo de infestação, a aplicação localizada de inseticidas (com uma bomba manual) pode efetivamente controlar a praga, evitando os gastos com a cobertura de pulverização e perdas na colheita.

 

Agenor, em parceria com o especialista em ciência da computação Dr. Eamonn Keogh, da Universidade da California Riverside, e Leandro Jost Mafra, designer e gerente de projetos da ISCA, desenvolverá a construção de sensores de baixo custo para contar e classificar insetos-praga no campo, produzindo informação em tempo real que poderá ser utilizada por agricultores para controlar a população de pragas. Isso permitirá um grande aumento na produção de alimentos a nível local e uma redução da fome e problemas de saúde. Estes sensores de baixa potência serão produzidos em massa com um preço de venda inferior a 5 dólares por sensor, o que permitirá que o produto seja utilizado mesmo em grande escala.

 

Sobre Grand Challenges Explorations

Grand Challenges Explorations é uma iniciativa de 100 milhões de dólares da Bill & Melinda Gates Foundation. Lançada em 2008, já contemplou mais de 700 pessoas em 45 países. As bolsas são abertas a qualquer pessoa de qualquer área e qualquer organização. A iniciativa distribui fundos de uma forma ágil, sem exigência de cadastro prévio, e os interessados devem preencher um formulário online curto, de duas páginas. Os prêmios de 100 mil dólares são concedidos duas vezes por ano e os projetos bem sucedidos podem receber uma bolsa de continuidade de até 1 milhão de dólares. Para saber mais, acesse: http://www.gatesfoundation.org/

 

Sobre Dr. Agenor Mafra-Neto

Dr. Agenor Mafra Neto é sócio-fundador e CEO da ISCA Tecnologias, sendo o responsável pela visão do potencial inovador dos semioquímicos, que inspira e impulsiona a ISCA para a produção de novos produtos de sucesso.  É um pesquisador líder na área da ecologia química de insetos e no estudo das substâncias químicas naturais envolvidas na comunicação entre insetos.

 

Sobre Leandro Jost Mafra

Formato em Arquitetura e Urbanismo, é gerente de P&D e sócio da ISCA Tecnologias. Desde 1998,  gerencia projetos de P&D desenvolvendo armadilhas para diferentes aplicações, atrativos alimentares e feromônicos, e produtos para controle integrando, coordenando e compatibilizando equipes de entomologia, química de síntese, de formulação, industrial, engenharia mecânica, industrial, design, registro, custos, que resultaram em produtos comerciais e patentes.

 

Sobre a ISCA

A missão da ISCA Tecnologia é proteger o mundo dos insetos nocivos e agentes patogênicos desenvolvendo soluções que sejam econômicas, eficazes e ecologicamente corretas.

Por isso, a ISCA Tecnologias desenvolve biopesticidas para o controle de pragas de uma forma natural e que não agride o meio ambiente. Esses produtos atraem ou repelem os insetos conforme as necessidades estratégicas do manejo de pragas e são desenvolvidos a partir da tecnologia de semioquímicos, que interferem na comunicação entre insetos e entre insetos e plantas. Essas substâncias não são tóxicas e não representam riscos ao ambiente ou a saúde humana.

Os semioquímicos são a forma mais segura de controlar pragas e patógenos que a ciência conhece. Por isso, a ISCA escolheu o desafio de levar os benefícios dos semioquímicos para onde houver necessidade de controle de pragas. Esta missão motiva seus funcionários e parceiros, pois quanto mais sucesso a empresa alcançar, maiores serão os impactos positivos para a sociedade e para o planeta.

A transição dos pesticidas tradicionais para os semioquímicos pode revolucionar as práticas agrícolas, contribuindo para uma produção de alimentos mais saudáveis e um futuro mais sustentável.

 

Para saber mais, acesse: www.isca.com.br ou escreva para leandro@isca.com.br